Argamassa estabilizada

Temos acompanhado os problemas frequentes que as argamassas ditas "estabilizadas" vem ocasionando nas projetoras de reboco.

Em muitos casos é preciso observar o seguinte:

- Quando a usina deste tipo de argamassa apresenta seu produto à obra, é muito comum que esta apresentação seja feita com uma argamassa muito bem preparada, cujo traço costuma ser 5:1. Este tipo de argamassa passa fácil em projetoras de argamassa e sua apresentação se dá por completo, onde a engenharia da obra fica satisfeita e vê que o rendimento será excelente.

- Ainda no processo de apresentação, a argamassa estabilizada costuma sair direto do caminhão para a máquina de reboco, permitindo assim sua projeção bastante satisfatória.

- Argamassas usinadas (establizadas) costumam apresentar uma quantidade muito grande de aditivos (retardador e plastificante) que inibem a presença do cimento, em muitos casos substituindo uma grande quantidade de cimento necessário à argamassa. Excesso de aditivos melhoram o aspecto visual da massa mas nem sempre melhoram a sua trabalhabilidade no tocante ao bombeamento, ao corte e ao desempeno. Também há que se observar a qualidade do revestimento após o seu tempo de cura se a impermeabilidade, elasticidade e aderência não foram afetados pelo excesso de aditivos.

Onde está o problema?

- Já verificamos que após o contrato assinado, a argamassa entregue pela usina apresenta um traço 7:1 ou até maior, o que dificulta muito o seu bombeamento e sua projeção (lembre que para a apresentação foi feito um traço de 5:1).

- Argamassas usinadas apresentam uma quantidade considerável de pedras para aumentar o volume que está sendo entregue. Essas pedras nunca serão utilizadas na obra, visto que normalmente são fora do padrão (não servem para concreto e nem outro tipo de construção). Essas serão expurgadas diminuindo o volume real contratado.

- No primeiro dia as projetoras costumam funcionar relativamente bem, não apresentando entupimentos da mangueira de massa, mas a partir do segundo dia em diante o quadro muda: as máquinas começam a entupir muito e a qualidade do reboco está muito diferente do reboco feito na apresentação. As máquinas que tendem a apresentar mais problemas de entupimento e desgaste excessivo são as projetoras baseadas no sistema estator/rotor (camisa e eixo tipo parafuso).

Como resolver?

- Certifique-se que a usina que está entregando a argamassa estabilizada é uma empresa séria. Este é um requisito básico para ter um revestimento de qualidade.

- Exija o laudo atestando o traço correto em cada carga entregue. Se for o caso, contrate o serviço de algum laboratório especializado no ramo que possa atestar o traço que está sendo utilizado. Traços diferentes terão comportamentos diferentes, rendimentos fora do esperado e qualidade duvidosa.

- Após o segundo dia em que a argamassa estabilizada está nos caixotes em descanso SEMPRE coloque esta argamassa na betoneira ou qualquer outro tipo de misturador e mexa novamente a massa. Essa massa que está em repouso está compactando no fundo do caixote com o passar do tempo, perdendo o ar que estava misturado na massa e deixando uma quantidade muito maior de grânulos de areia no fundo do caixote. É isso que entope e desgasta excessivamente os componentes da máquina responsáveis pelo bombeamento. Quando bate-se novamente a massa, esta adquire novamente a quantidade de ar necessária para bombeamento e mistura novamente os grânulos de areia que estavam decantados no fundo do caixote, permitindo novamente o seu bombeamento e diminuindo consideravalmente o risco de entupimentos da mangueira de massa.

- Se for detectada falta de cimento neste massa (traço maior que 5:1) adicione cimento e bata a massa até que atinja homogeneidade.